Segundo a Polícia Federal o ex-deputado Domingos Brazão seria um dos mandantes da morte de Marielle Franco

By | março 21, 2019
Domingos Brazão Marielle Franco

O ex-deputado estadual Domingos Brazão foi citado como um dos “possíveis mandantes” da execução da vereadora Marielle Franco (PSOL), há um ano, no Rio de Janeiro, conforme trecho do inquérito da Polícia Federal (PF) que investiga obstrução da investigação sobre o crime. O assunto foi publicado pelo UOL. Duas fontes ligadas ao caso, segundo a reportagem, teriam confirmado o assunto, uma das linhas de investigação que consta no inquérito da Delegacia de Homicídios (DH-Capital).

Por conta de suspeitas de que haveria ações para o desvio do foco da apuração do crime e por determinação da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, a PF passou a investigar o trabalho da Polícia Civil. Contra Brazão havia somente a suspeita de tentar incriminar o vereador Marcelo Siciliano (PHS), através de uma “testemunha plantada”. De acordo com o inquérito, Brazão é adversário pela hegemonia eleitoral em áreas da zona oeste do Rio dominadas por milícias.

O ex-deputado e conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), Brazão foi um dos oito alvos de mandados de busca, em sua residência, num condomínio de luxo na Barra da Tijuca, no dia 21 de fevereiro. Na época, ele protestou publicamente da atuação dos agentes do Comando de Operações Táticas (COT) da PF, alegando que o grupo entrou na casa (às 6h15) “com uniforme camuflado e armados de metralhadoras” e que teria foro por prerrogativa de função, por ser conselheiro. A ordem judicial foi expedida por um ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

1.174 Visualizações