Médicos anunciam mais uma pessoa curada do vírus HIV

By | março 9, 2019

O anúncio desse terceiro avanço ocorreu na última terça-feira (5), durante a Conferência Sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas, em Seattle, nos Estados Unidos. O chamado “paciente de Düsselforf”, segundo um time de especialistas dos Países Baixos, foi submetido ao mesmo tipo de transplante de medula óssea pelo qual passaram os outros dois pacientes que também teriam sido curados.

Em entrevista à New Scientist, a pesquisadora Annemarie Wensing, da Universidade de Medicina Central de Utrecht (Holanda), contou que o paciente da Alemanha ficou três meses sem tomar os medicamentos antivirais e as biópsias coletadas do intestino e dos gânglios linfáticos dele não mostraram nenhum sinal da presença do microrganismo.

O primeiro caso 

O primeiro registro de que um homem teria se livrado do vírus HIV ocorreu em 2007. O caso foi inicialmente apelidado de “paciente de Berlim”; mas o homem acabou sendo identificado como Timothy Ray Brown, de 52 anos, que atualmente vive em Palm Springs, na Califórnia, Estados Unidos.

Diagnosticado com leucemia, Brown teria enfrentado dois transplantes de células-tronco após os médicos não verem progresso com a quimioterapia. O doador que possibilitou o transplante tinha uma mutação na proteína CCR5. Assim, o paciente teve de enfrentar uma dosagem de medicamentos imunossupressores e sofreu uma série de complicações; chegou a ficar em coma induzido e quase morreu.

“Ele ficou muito abatido com todo o procedimento”, relatou Steven Deeks, especialista em aids da Universidade da Carolina, nos Estados Unidos, responsável por tratar o Brown. 12 anos depois, no entanto, não havia mais vírus HIV detectado no organismo do paciente. 

Ao jornal The New York Times, por e-mail, o “paciente de Londres” descreveu sua possível cura de um câncer e da infecção do HIV como “surreal” e “extraordinária”. “Nunca pensei que existiria uma cura enquanto eu estivesse vivo”, afirmou.

Mas o sucesso do caso ainda deixou muitos pontos de interrogação na mente dos médicos e pesquisadores envolvidos. “Nós sempre nos perguntamos se a condição dele, na qual houve uma destruição massiva do sistema imune, foi a razão porque ninguém foi curado além de Timothy”, explica o especialista Steven Deeks.

312 Visualizações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *